Arquivo para agosto \27\UTC 2010

27
ago
10

Essa, sim, é a maior violência.

Nem a obscuridade, nem os sonhos, nem a exclusão, nem os filetes de sangue, nem os inúmeros comprimidos, nem a asfixia doeria mais do que O perder você.

27
ago
10

A rubra movimentação no jardim interior. Vamos lá, golpes.

Essa coisa inominável e cheia de gumes. A cada movimentação um um filete de sangue brota pelos olhos. Eu não quero que o corte abra o interior que agora é só jardim. Eu sei que esse movimento quer dissipar as mãos estendidas. Só que agora, essas mãos estendidas habitam no âmago, e lá fizeram casa, onde os dois corpos deitam para que, enfim, o sol lunar possa eternizar a magnificência do amor.

17
ago
10

Porque o tocar pele com pele, lábios com pele, o toque como um todo é cósmico.

Entre todos os “você é”, que possui inúmeros corpos e rostos, você também é cada lágrima solidificada que pedia pelo milagre.

“Não acabarão com o amor,

nem as rugas,

nem a distância,

Está provado,

pensado

verificado.

Aqui lanço solene

minha estrofe de mil dedos

e faço o juramento:

Amo

firme

fiel

e verdadeiramente.”

Maiakovski.