20
jun
10

A cólera divina acenando.

(Foto : Joana Linda)

Estabilizadores. Estabilização, controle e harmonia.  Conseguindo tocar isso com as pontas nos dedos, mas sempre deslizando por quilômetros de pele.  A última lágrima no terceiro olho da cara, como diria Dalton Trevisan.  É difícil saber que o consciente mentalmente transtornado se sobrepõe ao consciente feliz e até o inconsciente. Uma gula ofegante enorme. Eu sei que você tem traços materializados em um rosto. Eu sei. Eu só queria tocar nisso, só queria ver o que há por trás desse véu que é um quadro negro. Giz.  Antes, eu costumava sorrir pra dor. Não seria exatamente sorrir. Alimentava-me, e ela me dava os frutos na forma de escrita violenta. A dor atingindo como um dardo atravessando algum órgão. A hemorragia de palavras. Sim, eu agradecia por isso, por mais que a pele estivesse aberta. Tenho todas as cicatrizes, mas você insiste em mais cortes. Você consegue virar minha mente contra mim, todo majestoso. Tenho o amor, agora. Ainda não desistiu de mim como companheira cheia de fidelidade?  Fui fiel. A infância não vem através de você. Ninguém gosta de ler sobre a dor, e isso dói. As pessoas morrem na obscuridade. Acho que eu gostava de você justamente por saber que não iria perecer nessa obscuridade. Tu me olhaste, me reconheceu e se infiltrou aqui. Deteriorando, dor demorada e grandes euforias para me elevar e depois receber o golpe. Mas não derrubaste minha poesia, nem os sonhos. Só que esses sonhos costumam me levar para o escuro. Eu costumava acordar de órgãos pra fora, e tu aproveitaste disso, não é? Eu sei o que tu olhas nos meus olhos, aqui. A retina foi finalmente pintada como tela, e nela está ele, o amor. O que você quer? Os pulsos estão aqui firmes. Me render? Nunca. Agora sim a boca recheada para dizer: NUNCA. Eu quero a minha casa, quero encostar o amor no ventre. Chega de nomear os demônios, a parte laboriosa agora é nomear a abstração bonita , mesmo sabendo que as palavras ainda precisam adquirir uma forma difícil para a expressividade cósmica. Finalmente estou agarrando a mão dentro de alguém.  É tão bonito. O amor também agarrando a mão dentro de mim. A profundidade como sinônimo de interior. Agradecimento em suspiros.

Anúncios

1 Response to “A cólera divina acenando.”


  1. 1 douglas d.
    junho 21, 2010 às 6:14 am

    a poesia daqui
    as imagens daqui
    parecem saber de mim
    revelar alguém que eu seja
    ou calar quem já fui…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: